Portugal estreia-se hoje no Euro'2016, 32 anos exatos sobre o primeiro jogo que fez numa fase final da competição. A 14 de Junho os portugueses empataram com a RFA e ganharam à Turquia.
2016-06-14

1 de 1
1996

Portugal entra em campo no Europeu de 2016 exatamente 32 anos depois de se ter estreado numa fase final e ainda por cima fá-lo no mesmo país, ainda que mais a Sul. Foi em Estrasburgo, cerca de 600 kms a norte de Saint-Etiènne, que a seleção portuguesa deu os primeiros passos na competição, em 1984, num jogo de grau de dificuldade muito mais elevado que o de hoje, pois o adversário era o campeão europeu em título: a RFA. Nessa tarde de 14 de Junho, a seleção portuguesa – que naquele momento interrompia 18 anos sem presenças numa grande competição internacional, após o Mundial de 1966 – bateu o pé aos poderosos alemães, impondo-lhes um empate a zero que para eles foi o início da eliminação (resumo do jogo aqui: www.dailymotion.com/video/xyr3z5_1984-june-14-west-germany-0-portugal-0-european-championship_sport). O jogo foi mais equilibrado do que se supunha e, em grande parte devido à coesão e ao jogo coletivo dos seus cinco médios (Carlos Manuel, Frasco, Jaime Pacheco, Sousa e Chalana), Portugal acabou mesmo por ter mais ocasiões de golo do que a equipa campeã da Europa.

Doze anos depois, na outra ocasião em que jogou uma partida do Europeu a 14 de Junho, a equipa portuguesa voltou a dar-se bem, pois no segundo jogo do grupo ganhou à Turquia por 1-0, graças a um golo de Couto num improvável remate de ressaca à entrada da área com o pé esquerdo (que também pode ver aqui: www.dailymotion.com/video/xysnvc_1996-june-14-portugal-1-turkey-0-european-championship_sport). Era o segundo jogo de Portugal nessa competição e, somada ao empate frente à Dinamarca no primeiro dia, a vitória de Nottingham deixava a equipa de António Oliveira muito bem encaminhada para atingir os quartos-de-final.

 

Também neste dia.

Em 1980 – O alemão Klaus Allofs, que de livre foi um dos que mais perto esteve de marcar no RFA-Portugal de que falo acima, tinha-se tornado, quatro anos exatos antes, apenas o segundo homem a conseguir um hat-trick na fase final de um Europeu. Fê-lo em Nápoles, numa importante vitória alemã frente à Holanda, por 3-2. Antes dele, só o seu compatriota Dieter Müller tinha obtido semelhante proeza, num 4-2 da RFA à Jugoslávia. Depois, mais quatro jogadores o fizeram. Entre eles o português Sérgio Conceição, num 3-0 de Portugal à… Alemanha.

 

Em 1972 – Além de Portugal, só mais uma das quatro equipas que jogam hoje tem histórias para contar no Europeu passadas a 14 de Junho. Trata-se da Hungria, que em 1972 participou num dos dois jogos de abertura simultânea do Europeu jogado na Bélgica. Enquanto em Antuérpia a RFA ganhava aos belgas por 2-1 (bis de Gerd Müller), os húngaros eram afastados da final ao perderem por 1-0 com a URSS, graças a um golo de Anatoliy Konkov num extraordinário remate em vólei depois de a defesa húngara repelir um pontapé de canto. A seis minutos do final, Sándor Zambo teve no pé direito a hipótese de empatar, mas permitiu a defesa de um penalti ao guardião soviético Evgueni Rudakov.